A Bacia Amazônica  

A bacia do rio Amazonas envolve todo o conjunto de recursos hídricos que convergem para o rio Amazonas. Essa bacia hidrográfica faz parte da região hidrográfica do Amazonas, uma das doze regiões hidrográficas do território brasileiro.

A bacia amazônica abrange uma área de 7 milhões de km², compreendendo terras de vários países da América do Sul (Peru, Colômbia, Equador, Venezuela, Guiana, Bolívia e Brasil). É a maior bacia fluvial do mundo.

De sua área total, cerca de 3,8 milhões de km² encontram-se no Brasil, abrangendo os estados do Acre, Amazonas, Roraima, Rondônia, Mato Grosso, Pará e Amapá.

Fato: Do extremo leste do Pará até o extremo oeste do Amazonas, são mais de 3 mil km, ou seja, 3 vezes mais que a distância entre São Paulo e Brasília.

Formação

A bacia amazônica é formada pelo rio Amazonas e seus afluentes. Estes estão situados nos dois hemisférios (no hemisfério norte e no hemisfério sul) e, devido a esse fato, o rio Amazonas tem dois períodos de chuvas, pois a época das chuvas é diferente no hemisfério norte e no hemisfério sul.

O rio é divido em três partes:

Ainda nos países andinos, recebe o nome de rio Marañón
ao entrar no Brasil, recebe o nome de rio Solimões
ao receber as águas do rio Negro passa a ser chamado de rio Amazonas
A largura média do rio Amazonas é de aproximadamente 5 quilômetros. Em alguns lugares, de uma margem é impossível ver a margem oposta, por causa da curvatura da superfície terrestre. No ponto onde o rio mais se contrai – o chamado "Estreito de Óbidos" – a largura diminui para 1,5 quilômetro e a profundidade chega a 130 metros.

As terras amazônicas, como se disse, formam uma planície no sentido atual da palavra, ou seja, um território formado pela sedimentação. A norte e a sul essa planície é limitada pelos escudos das Guianas e Brasileiro, respectivamente. Uma divisão elementar das terras da bacia amazônica permite classificá-las em:

várzeas: terras próximas ao rio, que são inundadas pelas enchentes anuais, ou mesmo diariamente;
terras firmes: nunca são alagadas pelas enchentes.

Curiosidades
A teoria mais aceita pelos geólogos é de que o rio Amazonas formou-se a partir de um grande golfo, que originalmente se abria ao oceano Pacífico. Com a separação do super continente Pangea há 130 Ma (particularmente, a quebra do Gondwana, o continente formado antes do Pangea pela junção da Africa, América do Sul, Antartica, Arábia e Austrália) o deslocamento da placa americana para oeste gera a formação da cordilheira dos Andes há 65 Ma, esse golfo fechado a oeste, se abre para leste pela captura de drenagem vinda do Atlântico, tendo o grande rio assim se formado (ver teoria das placas tectônicas). Sua origem explica o fato de o rio Amazonas apresentar inclinação muito pequena. Em todo seu trajeto inclina-se menos de cem metros; num trecho de 3 mil quilômetros em território brasileiro, a inclinação é de apenas 15 metros. Durante muito tempo, considerou-se a desembocadura do Amazonas na região de Belém. Hoje, o rio que banha a capital paraense (rio Pará) não é considerado como foz do Amazonas, fazendo parte da Bacia Hidrográfica do Tocantins. A foz do Amazonas está no lado ocidental da ilha de Marajó. Isso faz com que a cidade de Macapá sejam considerada a única capital banhada pelo rio. O volume d'água despejado pelo rio é tão descomunal que a água do mar é doce por vários quilômetros além da da desembocadura.(a desembocadura mede 200km, do Amapá até a Ilha Grande do Marajó).

 

A Amazônia na visão de um pescador esportivo.

Rios(águas): Encontramos 3 tipos de águas na região amazônica, são: Brancas, Negras e Claras.

Brancas: São águas de cor amarelada, o fundo dos rios é formado por sedimentos (lama), e esta em suspensão transforma a cor da água.
Alguns rios conhecidos: Amazonas, Madeira, Tocantins, Branco e Acre.

Negras: São águas de cor escura (coca-cola). O fundo dos rios é formado por material arenoso (não entra em suspensão). O que forma sua cor é a decomposição do material orgânico (folhas, raízes, troncos e frutos).
Alguns rios conhecidos: Negro, Trombetas, Nhamundá e Uatumã.

Claras: águas limpas, translúcidas, rios de fundo rochoso, pouco sedimento em suspensão.
Alguns rios conhecidos: Xingu, Tapajós e Jari.
Obs. encontramos água salgada ou salobra no litoral do Pará, uma grande área de manguezais e lindas praias.

Clima:
Sempre quente (muito quente) e úmido (muito úmido), não ocorrem as "estações do ano", na Amazônia existem dois períodos: muita chuva e pouca chuva. Em função da imensidão da Amazônia, estes períodos ocorrem em épocas diferentes, em áreas diferentes.

"Dança" das águas:

A Amazônia é uma planície, assim sendo, a diferença de altura em relação ao nível do mar é muito pequena. (30m de altura entre o Rio Amazonas em sua foz(nível do mar) e o Rio Amazonas na cidade de Tabatinga-AM, 3.000km de distância).

O rio Amazonas é o grande concentrador de toda a água dos rios da bacia Amazônica (a via principal, de mão única), onde todos os rios afluentes "jogam" suas águas, 365 dias por ano.

A imensidão da Amazônia, faz com que diferentes locais fiquem alagados em diferentes épocas do ano.
Exemplos:
Rio Xingu - início da cheia em dezembro, estendendo-se até maio, sendo este mês o "topo" da cheia.
Rio Negro - início da do período seco é em setembro, estendendo-se até fevereiro.
Rio Madeira - "topo" da cheia em maio.

A normalidade é seis meses "enchendo" e seis meses "secando"; Ocorrem variações (não raras), um mês de atraso do início da seca, causa um grande transtorno, não para o ribeirinho que esta acostumado, porém, para o turismo da pesca é o fracasso de uma pescaria; É a famosa "água atrasada".

Pode ocorrer também o famoso "repique" ou repiquete", nada mais é do que uma repentina "subida" do rio, quando este esta em seu período de "descida" , pescaria perdida também.

A natureza na Amazônia é exuberante, magnífica, maravilhosa e apaixonante, podendo causar surpresas agradáveis ao visitante, desde que este tenha em mente que: "Aqui quem dita as regras, são as águas".